São Paulo, 11 de Abril de 2017

Motos são a principal causa de acidentes no trânsito segundo estatística DPVAT


Os acidentes envolvendo motocicletas já são a
principal causa de ocorrências de trânsito no país,
ultrapassando os atropelamentos de pedestres. Atualmente,
mais de metade das internações pelo Sistema
Único de Saúde (SUS) são de motociclistas,
que respondem por três quartos das indenizações
do Seguro Obrigatório de Danos Pessoais Causados
por Veículos Automotores de Vias Terrestres (DPVAT).
As motos, com a evolução da tecnologia, se
tornaram mais potentes e mudaram o padrão da
mortalidade com a expansão muito forte da frota
de motos nos últimos anos, e hoje a principal vítima
no trânsito é o motociclista, seja por imprudência,
fatores mecânicos ou de vias públicas, além
do abuso de drogas e álcool. O pedestre era, antes
desse estudo revelador, quem mais sofria no trânsito,
agora é o motociclista. Vários fatores incidem
diretamente nesta utilização maior das motos, que
é um veículo com um risco maior agregado do que
um veículo de quatro rodas.
A falta dos itens obrigatórios de segurança, como
capacete, calçado fechado, linha corta-pipa, protetor
de pernas etc, acentua óbito e invalides permanente.
Além disso, falta da habilitação e até habilitados,
mas sem condições de estarem nas ruas, aumentam
os casos.
Essa situação está formando um grande número
de pessoas com deficiência, por traumas relacionados
à motocicleta. Há crescimento enorme do número
de pessoas com deficiência física estabelecida,
em membros superiores e inferiores, e coluna
vertebral com problemas graves, como paraplegia,
tetraplegia, em função da má utilização desse veículo
que tem um risco maior associado.
O estudo mostra que a frota de motos tem crescido
muito mais do que a de automóveis, isso requer
do motociclista ainda mais atenção e cuidados básicos
para evita ou reduzir a gravidade de acidentes.
O resultado do estudo aponta para a necessidade
do aumento de recursos investidos em campanhas
educativas e preventivas, utilizando percentual de
multas de trânsito, como já é previsto na legislação e,
defende ainda, ações que visem a informação

fonte: Imprensa Jornal a Voz do Motoboy

<< ver outros artigos