São Paulo, 15 de Abril de 2017

SindimotoSP participa do Dia Nacional da Paralisação com centenas de motociclistas profissionais


Contra as mudanças da previdência e leis trabalhistas os profissionais do setor de motofrete foram às ruas para dizer não ao fim dos direitos trabalhistas conquistados com suor, lágrimas e as vezes, sangue.

O SindimotoSP levou para ato pacífico quase mil motociclistas profissionais e convencionais no Dia Nacional da Paralisação (15/03/2017), no horário de pico da manifestação - que saiu da sede do sindicato (Rua Dr Eurico Rangel, 40 - Brooklin Novo) e terminou na frente da sede da UGT (Rua Genebra) com mini comício em que diversas lideranças sindicais declararam união entre si para combater o assunto como também serem contrárias as mudanças que consideram verdadeiro ataque ao bolso do trabalhador.

Na visão do SindimotoSP, o recado foi dado com palavras de ordem para os parlamentares que insistem em aprovar medidas que contrariam os interesses da classe trabalhadora. "O Governo Federal quer empurrar injustiças para o trabalhador, destruir direitos e rasgar à Constituição. Não vamos permitir", ressaltou o presidente Gil.

O ato percorreu as ruas de São Paulo para reivindicar direitos e defender as conquistas que estão na CLT.

Além do presidente Gil e o secretário Nacional da UGT, Canindé Pegado, discursaram os diretores Nego Gerson, Gerson Cunha, Celso Oliveira, Rodrigo Silva e outras lideranças locais, bem como alguns motofretistas, presidentes de outros sindicatos e delegados sindicais.

Novas manifestações não estão descartadas, bem como um documento oficial assinado pelos sindicatos e Centrais reivindicando a manutenção dos direitos trabalhistas.

fonte: assessoria imprensa

<< ver outros artigos