São Paulo, 15 de Abril de 2017

Acidentes de moto na Capital são mais frequentes entre motociclistas convencionais


Estudos da Abraciclo - FMUSP / HCFMUSP e do Senado Federal apontaram que maioria destes acidentes acontecem com o motociclista que usa moto para lazer, deslocamentos simples e rápidos. A maior parte dos acidentados com moto usa o veículo por apenas 2 horas por dia, como transporte, geralmente para ir e vir do trabalho. Motociclista profissionai (motoboys) é minoria nos acidentes. O resultado é estudo da Abraciclo e pesquisa do Senado Federal e revelam que, ao contrário do que se imagina, as categorias que usam a moto como fonte de renda (motofretistas e mototaxistas) não estão entre as principais vítimas.

Quando se fala em diminuição das mortes entre motociclistas profissionais, observa-se o esforço contínuo do SindimotoSP em alertá-los constantemente para o uso de equipamentos de segurança pessoal (EPIs) e na motocicleta para cumprir determinação da Lei Federal 12009. Outro fator que faz a diferença é o sindicato alertar o profissional respeitar a legislação de trânsito. O SindimotoSP também orienta que os motociclistas devem fazer o curso obrigatório de 30 Horas do Contran que realiza reciclagem de conhecimentos, assim como ensina técnicas de pilotagem segura.

No entendimento do SindimotoSP, uma política pública na capital para quem anda de motocicletas tanto a trabalho como para transporte usual, diminuiria muito mais essas estatísticas.



fonte: Imprensa Jornal a Voz do Motoboy

<< ver outros artigos