São Paulo, 15 de Abril de 2017

Motociclistas profissionais estão decepcionados com GT criado pela prefeitura de SP para discutir problemas do setor de duas rodas. Quase um ano depois, pouco foi feito.


Depois de várias manifestações dos motofretistas de São Paulo pelo fim das motofaixas, desativação de bolsões de estacionamento para motocicletas, entre outros desmandos, a prefeitura criou um grupo de trabalho, inclusive com publicação da Portaria Nº 064/14-SMT.GAB. para discutir questões de relevância para o setor e encontrar soluções rápidas. Porém, praticamente um ano depois, as reuniões entram e saem, nada avança, existe muita conversa e poucos resultados.
O que a atual administração municipal mostra, é o motociclista profissional abandonado pelo poder público, sem melhorias, sem benefícios e o pior: sem segurança para exercício da profissão.

A principal reivindicação do SindimotoSP, que faz parte do GT é a construção e normatização de faixas de segurança com sinalização, porém, ela sequer saiu do papel. O sindicato pede para à prefeitura dar embasamento técnico a faixa de segurança e apresentar a proposta da faixa de segurança ao Denatran.

Outras reivindicações do SindimotoSP que estão em “gavetas” são:

1. Mais bolsões de estacionamento para motofretistas (não apenas 3)
2. Criação de programa de proteção ao motociclista
3. Fiscalização regular nas empresas clandestinas
4. Campanha educativas e de orientação para o setor


fonte: Imprensa Jornal a Voz do Motoboy

<< ver outros artigos