São Paulo, 11 de Abril de 2017

SindimotoSP e SindimotoRJ denunciam no MPT empresas de APP


Na reunião com o Procurador do Ministério Público do Trabalho Dr. Rodrigo de Lacerda Carelli, os sindicatos mostraram
o sistema de escravidão e precarização das relações de trabalho que as startups estão criando em pleno século 21
Em audiência de mais de duas horas, o SindimotoSP
e o SindimotoRJ explicaram ao Procurador do Trabalho
do Ministério Público do Trabalho - Titular da 1ª Região
/ Rio de Janeiro e componente do Grupo de Estudos
do Ministério Público do Trabalho instituído pela CONAFRET
(Coordenadoria Nacional de Combate às Fraudes
nas Relações de Trabalho) Dr. Rodrigo de Lacerda Carelli,
o caso dos trabalhadores explorados na condição
de micro-empresários pelas empresas de aplicativos
no setor de motofrete.
Diante da expansão do modelo de negócio das empresas
de aplicativos de motofrete para além da cidade
de São Paulo, também se fez presente o representante
do Sindicato dos Motoboys do Rio de Janeiro, pois as
empresas Rapiddo e Loggi já estão oferecendo seus
serviços na cidade, exatamente com as mesmas práticas
realizadas aqui em São Paulo. Assim, fi cou defi nido
pelo Procurador que estas questões serão submetidas
ao Grupo de Estudos, que também se dedicará a questão
da fraude trabalhista das empresas de aplicativos
de motofrete agora em âmbito nacional.
Também foi observado pelo Procurador que a prática
dos incentivos concedidos por estas empresas, além
de criar uma situação de dependência para o trabalhador,
que se vê obrigado a fi car disponível cada vez mais
em tempo maior, também expõe a vida deste ao risco
previsto tanto na CLT (periculosidade), quanto na Lei
12.436/2011.

fonte: assessoria imprensa

<< ver outros artigos