São Paulo, 11 de Abril de 2017

USP e SindimotoSP formam parceria para estudo científico com motociclistas profissionais


A equipe da USP e do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP,
preocupada com o aumento dos acidentes de trânsito que levam à morte, invalidez
e custos para a sociedade, vem estudando há um bom tempo os fatores de
risco mais importantes nessa questão: o uso de álcool, drogas e medicamentos
que podem prejudicar a direção.
Diante desse quadro, a equipe multidisciplinar formou parceria com o SindimotoSP
e realizará estudo com coleta de diversos dados junto aos motociclistas
profissionais para produzir um estudo científico que poderá ser usado como
base para desenvolvimento de políticas públicas para motociclistas.
Estudos sobre o uso de drogas (e agora de medicamentos) já têm sido feitos
com caminhoneiros pela USP em que cerca de 4 mil motoristas foram avaliados
através de exames de urina e saliva. Apesar de que alguns caminhoneiros terem
utilizado drogas para enfrentar longas jornadas de trabalho, os resultados obtidos
não revelam um número tão exorbitante como mostra a mídia, o que ajuda
a denegrir a imagem do trabalhador.
Agora, a equipe da USP e do Hospital das Clinicas da Faculdade de Medicina
da USP querem estudar a classe dos motociclistas para obter dados que sejam
usados na prevenção de acidentes, entre outras ações.
COMO SERÁ O ESTUDO DA USP
Verificar o uso de drogas e medicamentos que comprometem o ato de dirigir
Coletar amostras de saliva. Os doadores não serão identificados em nenhum
momento. A participação é voluntária e o doador da amostra estará colaborando
para um trânsito mais seguro.
Os resultados da pesquisa serão utilizados para ajudar em políticas de prevenção
de acidentes e, consequentemente, na redução de mortes, internações
e incapacidades.

fonte: Imprensa Jornal a Voz do Motoboy

<< ver outros artigos