São Paulo, 16 de Abril de 2017

MPT pede ao MTE fiscalização de irregularidades na Loggi


O Ministério Público do Trabalho (MPT) - Procuradoria
do Trabalho do Município de Osasco enviou ofícios à Superintendência
Regional do Trabalho e Emprego - Gerência
Regional do Trabalho e Emprego em Osasco (GRTE ) /
Ministério do Trabalho, solicitando apuração de irregularidades
cometidas pela Loggi Tecnologia Ltda, como falta
de registro na carteira profissional e jornadas abusivas sem
direito a descanso. Passado mais de um ano, o MTE ainda
não se pronunciou ou sequer iniciou procedimentos de
fiscalização.
O 1º ofício do MPT foi enviado em 18/05/2016 e recebido
pela Superintendência Regional do Trabalho de Osasco
MTE em 13 de junho de 2016. Sem resposta, o MPT
enviou um segundo ofício em 13/01/2017 que voltou
com recebimento de protocolo em 25/01/2017, porém,
pela segunda vez consecutiva a Superintedência de Osasco
ignorou os ofícios e não fiscalizou a Loggi.
Percebe-se entre os ministérios falta de comunicação
eficaz e um desconforto diante da situação. A inércia da
Superintendência Regional do Trabalho de Osasco - Ministério
do Trabalho, tem causado estranheza em não apurar
os fatos e o porque de um não posicionamento, já que
reiteradamente a Loggi vem precarizando as relações trabalhistas,
ditando regras e monopolizando predatoriamente o
mercado de aplicativo no setor de motofrete. Motociclistas
profissionais sujeitos a essa situação d eindiferença acham
inadmissível que em pleno século XXI, empresas “escravizem”
trabalhadores, são denunciadas, e nada se faz.

fonte: assessoria imprensa

<< ver outros artigos