São Paulo, 15 de Abril de 2017

SindimotoSP apresenta reivindicações do setor de motofrete


SindimotoSP apresenta reivindicações do setor de motofrete para o Dr Luiz Claudio Marcolino – atual Superintendente Regional do Trabalho e Emprego de São Paulo

O presidente do sindicato, Gilberto Almeida dos Santos, o Gil, faz parte do Grupo de Trabalho do Governo Federal que discute as necessidades do profissional do motofrete. Nessas reuniões, os objetivos são melhorar as condições de trabalho e qualificar o setor.

O Dr Luiz Claudio Marcolino, empossado recentemente como o Superintendente Regional do Trabalho e Emprego de São Paulo, recebeu o presidente Gil e sua diretoria em reunião que aconteceu no prédio da superintendência, na Rua Martins Fontes, 109 – Centro / SP. No encontro, Gil entregou pauta de reivindicações tendo como principal tema a formalização das empresas de aplicativos que atuam no setor de motofrete, que tem precarizado as relações trabalhistas e tirado dos trabalhadores direitos conquistados.

O SindimotoSP quer a regularização das empresas de aplicativo que estão atuando no setor de motofrete e causando grandes prejuízos para as empresas regularizadas, que pagam impostos em dia, além de direitos trabalhistas aos funcionários que tem sido iludidos pelo salário que na hora, parece ser vantajoso, mas a longo tempo, só traz prejuízo ao trabalhador.

Para se ter ideia da relevância do assunto, recentemente, o Ministério Público do Trabalho, através do procurador Dr Luiz Carlos Michele Fabre, acatou denúncia do SindimotoSP contra as irregularidades praticadas pelas empresas de Apps. Segundo Gil, elas estão precarizando as relações trabalhistas conquistadas pelo SindimotoSP.

O SindimotoSP quer que essas empresas formalizem os vínculos trabalhistas e a responsabilidade social da atividade conforme a regulamentação da categoria que tem as Leis Federais 12009 (Regulamentação), 12436 (proíbe apressar motofretistas na execução do trabalho) e 12997 (regulamenta pagamento da periculosidade).

Outras reivindicações na reunião foram:

Formalização de empregos no regime celetista.
Segurança do profissional na execução de seu ofício.
Cursos gratuitos 30 horas obrigatório do Contran.
Obrigatoriedade do uso de equipamentos de segurança.
Pagamento da periculosidade.

Participaram da reunião o presidente do SindimotoSP Gilberto Almeida dos Santos (Gil), o

Dr Cesar Granieli, os diretores Gerson Silva (vice presidente), Gerson Cunha (financeiro) e Rodrigo Silva (Relações Institucionais), a Dra Vilma Dias (SRTE/SP), além do Dr Luiz Claudio Marcolino Superintendente Regional do Trabalho e Emprego de São Paulo.




fonte: Imprensa Jornal a Voz do Motoboy

<< ver outros artigos